Joao Gomes Realarte
Olhar a arte com olhos de ver. Looking at art with eyes that see.
joao-gomes-escritor-879-748.jpg

Blogue Artes Literárias

Este blogue é dedicado ao pensamento do dia e a vários artigos, sobre variadíssimos temas escritos pelo autor.

Disparates bíblicos (Continuação 2)

Dirigindo-se Jesus com os seus discípulos a determinado sítio ,às páginas tantas depararam-se com uma manada de gado suíno (vara) que por ali andava a pastar. Pelos vistos os porcos estavam possuídos de espíritos malignos e Jesus não está com meias-medidas e ordena aos ditos que se lancem pela falésia, o que estes fizeram de imediato, acabando por morrer afogados no mar. É no mínimo patético esta passagem da bíblia. Jesus um homem iluminado, agindo pateticamente, em função de uma não menos patética superstição, ou seja, acreditando que os porcos estavam possuídos por espíritos malignos. 
(É bem conhecida a aversão que os judeus têm por carne de porco, não a comendo, por considerarem o dito animal impuro.
Mas para Jesus isso não passava de uma superstição do seu povo e da qual ele não comungava. Aliás há uma passagem na bíblia que dá testemunho disso mesmo. Em determinada altura os seus discípulos questionaram-no sobre se deveriam ou não comer o que estava interdito aos judeus, e ele respondeu:— Comei de tudo por causa da consciência. Confesso que, quando li esta resposta que Jesus deu aos seus discípulos não a compreendi de imediato. Parecia algo abstracto. -Comei de tudo por causa da consciência?—
Ora bem, eis o que depreendi mais tarde da sua resposta.
Em tempos de fartura podemos dar-nos ao luxo de comermos só aquilo que gostamos, ou só aquilo que achamos que devemos comer, mas em tempos de grande escassez de alimentos, para sobrevivermos, temos de comer até aquilo que não gostamos, ou que nos está interdito por motivos religiosos.
Obviamente que, ao vermo-nos na contingência de termos que comer aquilo que não gostamos, ou que nos está interdito por motivos religiosos, fica-se com problemas de consciência. Comi, mas não devia de ter comido. Era isto que Jesus quis dizer aos seus discípulos.) 
Seja como for, porque haveria de Jesus tomar tal atitude em relação aos porcos? Se havia porcos naquela zona, é porque alguém os consumia (não judeus). Se alguém os consumia, Jesus ao tomar tal atitude privou muita gente de comida. Muito provavelmente arruinou o negócio de alguém. Os porcos teriam dono, não? E isto, já para não falar do eventual guardador de porcos que ficou sem trabalho. Enfim, poderíamos perder-nos em especulações sem fim.