Joao Gomes Realarte
Olhar a arte com olhos de ver. Looking at art with eyes that see.
joao-gomes-escritor-879-748.jpg

Blogue Artes Literárias

Este blogue é dedicado ao pensamento do dia e a vários artigos, sobre variadíssimos temas escritos pelo autor.

Afinal o homem ressuscitou

Uma estória do arco-da-velha

Havia uma figura típica aqui em Faro, cujo nome agora não me recordo, mas que tinha uma alcunha muito particular. Era conhecido por Três-Beiços por ter uma pequena deficiência, suponho, genética, no lábio superior, assemelhando-se tal deficiência a dois lábios. Ora somando o lábio inferior, pois claro. Este homem foi considerado uma mais-valia para o nosso turismo dado que fazia de guia, e não só, às meninas que vinham de outros países visitar o nosso. E era tal o seu empenho, que as ditas meninas acabavam por pedir mais algum aos pais e ficavam mais tempo de férias do que o previsto inicialmente. Pelos vistos a performance do homem era de tal ordem, que as meninas ao voltarem para os seus respectivos países recomendavam o nosso empenhado guia a outras meninas que estavam a pensar vir de férias ao Algarve.
Certo dia viajando ele à boleia por terras de Espanha, ao sair do carro do condutor que lhe dera boleia esquecera-se da carteira no dito. Acontece que o condutor desse carro sofreu um aparatoso acidente logo a seguir e morreu, ficando irreconhecível. Por capricho do destino o dito condutor não levava os seus documentos, que provavelmente havia esquecido em casa, As autoridades ao vasculharem os destroços, descobrem a carteira do Três-Beiços, e que obviamente pensaram que era do condutor. e como tal houve uma troca de identidades. O Homem foi mandado para Portugal, fizeram o enterro em Faro, cidade onde vivia. Passados uns tempos O Três-Beiços depois das andanças por Espanha regressa à sua cidade para a estupefacção de todos. Resumindo: Foi ao cemitério ver a campa onde estava enterrado.